snapchat-rayza-nicacio-750x375

Se pudesse apostar em uma tendência de beleza para 2017, seria a inserção dos óleos na rotina de cuidados da pele e cabelos. Com relação ao rosto, já fiz um vídeo bem completo explicando o uso do produto para inúmeras finalidades, desde hidratação até o tratamento de acne. Hoje, porém, vamos esclarecer dúvidas sobre as várias funções no cabelo.

Quem orienta o papo é Mona Soares, farmacêutica e artesã dos cosméticos naturais da Ewé Alquimias. Antes de mais nada, um aviso: antes de sair comprando qualquer produto aqui citado, é bom testar. É que nem maquiagem. Às vezes, o que funciona pra um, pode não funcionar pra outro. Dito isso, vamos às dicas.

Começamos pela lavagem, correto? Errado. Mona recomenda o uso dos óleos antes mesmo de lavar, pois ajuda muito a manter a força dos fios. E o óleo de coco tem ação comprovada nisso. “Por conter ácido láurico, um ácido graxo que possui a capacidade de penetrar no fio, ele diminui o frizz e a perda proteica.”

Não tem óleo de coco? Pode ser qualquer um rico em ácido láurico: licuri, babaçu, palmiste… Mona ainda recomenda aplicar o óleo no cabelo sujo e seco, e deixar o máximo de tempo possível. Rola até fazer uma polpa com o produto no cabelo, ir dormir, e só lavar no dia seguinte.

Para Mona, a melhor ação é quando o óleo é usado sozinho. Diferente do modo como eu indico (misturar um óleo hidratante com a base para conseguir um efeito mais luminoso, ou ainda misturar com o sabonete líquido para deixar a pele mais macia), dissolver um pouco de óleo no shampoo ou condicionador não é a melhor opção. Mas para cabelo muito ressacado, pode misturar uma ou duas colheres de chá, depender do tamanho e volume do cabelo, no creme de pentear.

E por falar em fios ressecados, como eu sei que tem muitas meninas crespas aqui, Mona diz que óleos de castanha, abacate, pracaxi e licuri atendem muito bem esse tipo de cabelo. Mas ela pede atenção!

“Óleo não hidrata. O que hidrata são ingredientes que contém água, como a babosa, ou que atraem a água para eles, como por exemplo a glicerina. Mas alguns óleos ajudam a selar a hidratação no cabelo, como o óleo de jojoba, por exemplo, que funciona também como um reparador de pontas natural.” Se ainda quiser finalizar o cabelo com óleo, o de pracaxi e o de jojoba dão um efeito sedoso e possui características semelhantes a oleosidade dos fios.

Para finalizar o papo, a pergunta que há tempos tenta-se desmistificar: óleo deixa o cabelo mais oleoso? No rosto, nós já sabemos a resposta.

Sobre o cabelo, Mona diz que eles podem até ajudar a controlar a oleosidade. O de rícino e jojoba, se usados em pouca quantidade, são exemplo. Ela indica massagear o couro cabeludo, deixar agir por duas horas mais ou menos, e lavar normalmente. E para umectação, principalmente se o fio for fino ou oleoso, pode não se adaptar ao óleo de coco, Mona recomenda substituir pelo azeite de oliva.