Dentre os problemas recorrentes na pele negra, a inflamação de um ou mais folículos capilares, ou simplesmente foliculite, é um dos mais comuns. O pelo nesse tipo de cútis costuma ser mais grosso e ter dificuldade para nascer. A dermatologista Katleen Conceição já nos ensinou como evitar esse infortúnio, mas agora ela conta como tratar o quadro. 

A inflamação se inicia quando os folículos capilares são danificados ou bloqueados. Na maioria dos casos, os folículos são infectados com uma bactéria chamada staphylococcus (estafilococo). Já em outras situações, como o da pseudofoliculite, um distúrbio que ocorre principalmente em homens negros, os pelos se curvam de volta na pele e causam inflamação.

É muito comum a foliculite ser causada pelo atrito com a roupa ou ao barbear. O diagnóstico é dado principalmente pelo aspecto da pele, mas há testes de laboratório para mostrar quais bactérias ou fungos estão causando a infecção.

Eu já sofri com foliculite na região abaixo do queixo. Minha pele irritava logo após o barbear. Com o tempo, eu deixei de barbear com lâmina e comecei a aparar com máquina. Hoje eu uso a lâmina (somente uma vez e descarto) só pra desenhar a barba. Quando encrava um pelo ou outro, eu recorro a solução pra foliculite da TendSkin pra resolver.

Pros rapazes que querem ter o rosto lisinho, Katleen recomenda tratamentos tópicos para acalmar, hidratar e retardar o crescimento dos pelos, evitando, assim, a necessidade de barbear. Várias marcas possuem produtos específicos pós-depilação. O mais correto é procurar pelos princípios ativos na embalagem. A alantoína, alfa bisabolol, e d-pantenol (pró-vitamina B5) são bem comuns.

Em casos resistentes de foliculite na região da barba ou virilha, a dermatologista aconselha um tratamento a laser. “O laser age diminuindo a espessura dos pelos, evitando o encravamento”, explica a dermatologista.

Tá achando que é bobagem? Katleen nos atenta, caso não ocorra um tratamento adequado, para o risco da infecção evoluir para cicatriz e hiperpigmentar.